MENU

MENU

13 3307.5064 | 13 3307.5065

EN PT

Café

PRIMEIRA ONDA FRIA GERA ONDA DE COMPRA
25/05/2019

Receba comentários semanais do mercado







Indicadores econômicos negativos dos Estados Unidos, a crescente tensão comercial com a China e o envio de tropas americanas para o oriente médio pressionaram os mercados acionários nos últimos cinco dias úteis – exceção ao Bovespa.

O índice do dólar fez uma nova alta no ano para então escorregar frente aos dados de manufaturados abaixo do esperado, da redução na venda de imóveis e da queda do pedido de bens duráveis americanos.

O real foi a R$ 4.1211 na semana, maior nível desde os R$ 4.2133 que vimos em 30 de agosto de 2018 e ainda um pouco distante do recorde de R$ 4.2475 negociados em 24 de setembro de 2015.

O CRB tomou uma surra com a derrocada do petróleo e da gasolina, commodities cujos estoques estão subindo nas últimas semanas, justamente quando historicamente deveriam estar caindo dado o aumento da demanda no começo da temporada de viagens – proximidade do verão do hemisfério norte.

Fora isso o risco de diminuição do crescimento mundial pesa nas matérias-primas, não poupando nem mesmo as energéticas, as quais poderiam estar construindo algum prêmio em função de um eventual conflito no oriente-médio – agravado com as ameaças de ataque ao Irã.

O café foi o grande ganhador da semana subindo 6.75% em Nova Iorque e 4.5% em Londres, movimento desencadeado pela chegada de uma frente fria no Brasil e pelo rompimento de níveis técnicos no gráfico.

Muito embora as chances de gear nos cafezais brasileiros tenham diminuído muito hoje em dia, os fundos entraram na ponta comprada, de acordo com o relatório divulgado pelo CFTC, e curiosamente os vendidos em nada diminuíram suas posições.

A recuperação dos preços se deu também após a pressão vendedora ter diminuído no contrato de arábica, que tem conseguindo se manter acima de US$ 90.00 centavos por algumas semanas, e por Londres ter atraído interesse de compra dos comerciais.

Os diferenciais pouco alteraram, mesmo com o enfraquecimento de moedas dos países produtores, entretanto o fluxo de negócios melhorou.

O USDA começou a soltar suas estimativas de safra de café para o ciclo de 2019/2020 e entre os relatórios das origens divulgados, repetiu os mesmos 14.3 milhões produzidos na Colômbia em 18/19, assim como as alterações foram pequenas para o Vietnã (30.5 milhões), a Indonésia (10.7 milhões), o Peru (4.5 milhões) e a Guatemala (3.39 milhões de sacas).

Para a Índia a entidade espera um acréscimo de 300 mil sacas de robusta, ou um total de 5.48 milhões de sacas a serem colhidos entre as duas variedades.

No Brasil a colheita esperada pelo órgão é de 59.3 milhões de sacas, divididas entre 41 milhões de arábica e 18.3 milhões de conilon, e para a safra 18/19 os analistas revisaram a safra para 64.8 milhões de sacas – o número anterior era de 63.4 milhões de sacas. O consumo interno considerado pelo Departamento de Agricultura foi de 23.53 milhões de sacas, ou seja, o excedente exportável não é tão diferente do que o mercado acredita.

A European Coffee Federation informou que os estoques de café verde na maior parte dos portos europeus totalizavam 6,229,217 sacas no fim de março, ou 170,849 sacas a menos do que em fevereiro. Há exato um ano o volume do inventário era de 5.4 milhões de sacas e de outubro para cá, quando começaram a chegar mais cafés do Brasil por lá, a variação foi de 57 mil sacas para mais – quase nada se consideramos o volume embarcado no período.

O fechamento do contrato “C” não foi ruim, mas pode gerar uma tomada de lucro de curto-prazo após o feriado prolongado (segunda-feira é Memorial Day nos Estados Unidos), principalmente se as temperaturas no cinturão do café não forem menores do que as 6 graus esperados.

Pontos a serem observados no gráfico são 95.25 e 90.20, níveis que se rompidos aceleram o movimento para cima ou para baixo.

Espero encontrá-los no sempre prazeroso e bem organizado Coffee Dinner na lindíssima Estação Júlio Prestes.

Uma ótima semana e bons negócios a todos. 

Rodrigo Costa*

*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting

A Archer Consulting tem como objetivo precípuo disseminar o conhecimento acerca do mercado futuro, de opções e derivativos para o maior número de pessoas possível, sejam elas diretamente ligadas ao negócio ou apenas interessadas. Acreditamos que quanto mais profissionais entenderem o funcionamento dos mecanismos do mercado de derivativos, mais saudáveis serão os resultados comerciais das empresas, mais produtos poderão ser disponibilizados aos participantes do mercado objetivando a mitigação de risco e a otimização das margens. É um trabalho de formiguinha.

Saiba mais sobre nossos cursos in company

Confira valores, disponibilidade e datas.

Estou interessado

Café

APENAS OS PREÇOS AJUSTAM A OFERTA E A DEMANDA MUNDIAL

15/06/2019

ler mais

Açúcar

MILHO E PETRÓLEO EM TRAJETÓRIAS OPOSTAS INIBEM ALTA DO AÇÚCAR

14/06/2019

ler mais

Café

QUEM COMPRARÁ DEPOIS DOS FUNDOS?

08/06/2019

ler mais

Receba comentários semanais do mercado