MENU

MENU

13 3307.5064 | 13 3307.5065

EN PT

Açúcar

OUTUBRO PROMETE PREÇOS MELHORES PARA O AÇÚCAR
27/09/2019

Receba comentários semanais do mercado







Os fundos não-indexados reduziram um pouco suas posições vendidas, agora em “apenas” 205,500 contratos ou 10.4 milhões de toneladas de açúcar. Nesse período abrangido pelo relatório dos comitentes publicado pelo CFTC, de terça a terça, o mercado foi de uma mínima de 11.92 para uma máxima de 12.50. Ou seja, para reduzir 20,000 lotes os fundos moveram o mercado em 58 pontos. Pelo mesmo relatório, parece que os produtores fixaram 7,500 lotes. O contrato com vencimento março/20 encerrou a sexta-feira cotado a 12.60 centavos de dólar por libra-peso, 58 pontos de alta (coincidência) ou quase 13 dólares por tonelada acima da semana anterior.

Se usássemos uma regra de três simples, quanto o mercado teria que mover para que os fundos não-indexados pudessem cobrir 205,000 contratos? 600 pontos é a resposta. Infelizmente para as usinas, e felizmente para os consumidores industriais, não é assim. Mas, se ao menos levássemos em consideração os argumentos apresentados no comentário da semana passada, que os fundos possuem 1.65 lotes para cada um lote que as usinas tem para fixar, seria razoável pensar que ao invés de um potencial de alta de 600 pontos, quem sabe 350 (600 pontos divididos por 1.65) que representariam 15 centavos de dólar por libra-peso? Também não parece muito consistente, certo?

O ponto é que 13 centavos de dólar por libra-peso parecem mais certos do que nunca. E segundo o comentário privado de um executivo indiano na semana passada, “se o mundo quiser mais do que três milhões de toneladas de açúcar de exportação da Índia, isso só vai ocorrer se o mercado bater 14 centavos de dólar por libra-peso”. Por enquanto, as usinas que rolaram as fixações de outubro para março estão com um largo sorriso no rosto.

A tão esperada entrega volumosa de açúcar na expiração do contrato de outubro em NY, cujo vencimento é na próxima segunda-feira, está definitivamente esvaziada. Uma entrega grande de açúcar nesse momento dificultaria a recuperação do mercado internacional, dando uma visão (talvez um tanto equivocada dado os fundamentos) de que a demanda está na sarjeta. Provavelmente teremos açúcares da América Central sendo entregue com nenhum impacto no mercado.

O hidratado fechou a semana negociando equivalente a açúcar a 13,25 centavos de dólar por libra-peso FOB Santos, ou seja, aproximadamente com 60-65 pontos acima de NY

Nos últimos dez anos, em nove ocasiões o preço médio observado no primeiro contrato de açúcar listado em NY durante o mês de outubro foi maior do que aquele percebido em setembro. É claro, que a média de setembro toma o contrato futuro de outubro como base e a média de outubro já pega o contrato futuro de março. Nos últimos cinco anos, por duas ocasiões o preço médio de outubro foi acima de 20% superior ao preço médio de setembro. Essa ideia colocaria a previsão de preço médio para outubro em 13.86 centavos de dólar por libra-peso. No entanto, conservadoramente, esse preço seria 120 pontos pior.

O Banco Central deverá em breve facilitar a vida das instituições financeiras flexibilizando o cálculo do risco de mercado, reduzindo a exigência de capital regulatório e isso incentivará os bancos a oferecer operações de derivativos com menor impacto no patrimônio de referência do banco. O incentivo aos bancos pode fomentar um mercado de hedge de commodities que hoje ainda é bastante insipiente no Brasil. Para o setor, é uma alternativa de fixação de preços para as usinas (que hoje dependem enormemente das tradings) dando mais flexibilidade para a gestão de risco. Um executivo do setor financeiro bastante ligado ao agronegócio está muito entusiasmado com essas possíveis mudanças.

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) não perdoa. Multou nesta semana empresa ligada ao setor de commodities (incluindo açúcar) em R$ 5 milhões por operações diretas de câmbio com outra empresa do grupo, que geravam um prejuízo fictício para uma delas. O operador também levou multa de R$ 250 mil.

Marque na sua agenda: o XXXIII Curso Intensivo de Futuros, Opções e Derivativos está confirmado para março de 2020, nos dias 24, 25 e 26 de março, no Hotel Wall Street, na Rua Itapeva, em São Paulo – Capital.

 

Bom final de semana.

 

Arnaldo Luiz Corrêa

Saiba mais sobre nossos cursos in company

Confira valores, disponibilidade e datas.

Estou interessado

Açúcar

NAVEGANDO EM ÁGUAS TURVAS

18/10/2019

ler mais

Café

FUNDOS “ALTISTAS” SAINDO DO MERCADO

13/10/2019

ler mais

Açúcar

UM POUCO MAIS DO MESMO, MAS QUERENDO SER DIFERENTE

11/10/2019

ler mais

Receba comentários semanais do mercado