MENU

MENU

13 3307.5064 | 13 3307.5065

EN PT

Café

CURTO-PRAZO AINDA INDEFINIDO
08/12/2019

Receba comentários semanais do mercado







O mercado de trabalho americano criou muito mais postos em novembro do que o esperado, e o otimismo transpira no índice de confidência dos consumidores, também ajudado pelas performances positivas do mercado imobiliário e do mercado acionário.

O FED, desta forma, acerta em reiterar a pausa nos juros, dado que mesmo as tarifas implementadas contra as importações da China não machucam o crescimento da economia – ao menos por ora e depois do afrouxamento monetário de 2019.

Os principais índices de commodities caminham para um final de ano com retornos positivos levados pelas fortes altas das matérias-primas energéticas e tendo o café arábica no meio dos ganhadores.

O contrato “C” demonstra ter mudado de patamar de preços rejeitando baixas pontuais nas últimas semanas para então ter sequenciais fechamentos mais fortes – ainda que pule entre altas e baixas dentro das sessões diárias.

Londres não tem tido a mesma força, embora esteja mais de US$ 200 por tonelada acima da mínima vista no meio de outubro último, e o robusta deve acabar o ano com perdas, diferentemente do arábica, fazendo com que a arbitragem entre as duas variedades esteja em US$ 60 centavos por libra – o mais aberto desde dezembro de 2016.

Muitos agentes tem se questionado sobre o fundamento do café após a apreciação de 30% desde 17 de outubro até a última sexta-feira dia 6 de dezembro.

Do lado dos altistas há a certeza da resposta dos preços à uma oferta limitada do atual ciclo (com a produção menor do Brasil), assim como a insustentabilidade da cultura nos níveis que o mercado vinha negociando anteriormente.

Os baixistas, muitos machucados como é de se esperar quando há uma inversão tão rápida e acentuada da tendência, apontam a desvalorização significativa das moedas das duas principais origens e entendem que os preços atuais finalmente remuneram, se não todos, a grande maioria dos produtores da cadeia.

É muito difícil dizer para onde as bolsas irão no curto-prazo e o volume negociado no físico dentro do Brasil para o que havia/há de café disponível e para as safras futuras trarão menos vendas do país nos próximos 15 centavos por libra do que trouxe nestes 30 centavos iniciais.

Os produtores da América Central e Colômbia tem uma disponibilidade crescente e vão aproveitar para negociar suas safras, provavelmente barateando o basis de agora em diante.

As agências de notícias dizem que o rally está acontecendo por falta de café de qualidade, motivo da procura pelos cafés certificados, mas a qualidade dos estoque não é necessariamente um substituto para os suaves.

O inventário reportado pela ICE em novembro cedeu 122 mil sacas em novembro, estando próximo dos 2 milhões de sacas – comparado com as 2.5 milhões de março último, mas há cafés pendentes de classificação, ou seja, não é uma via de apenas uma mão.

Como escrevi no comentário de duas semanas atrás, a combinação desta queda dos certificados com o estreitamento da estrutura e o rompimento de médias-móveis e linhas de tendência baixistas de longo prazo, desencadearam a compra dos fundos, os quais saíram de uma posição vendida para comprada pela primeira vez desde abril de 2017.

Os especuladores, portanto, devem estar comprados em 2 mil lotes, considerando o supplemental report já que nos relatórios que não separam os fundos de índices os fundos já estão long há duas semanas.

Na categoria dos comerciais a parte bruta-vendida atinge um novo recorde, em qualquer formato divulgado pelo órgão controlador americano, com o equivalente a 52.3 milhões de sacas vendidas e 54,68 milhões de sacas, em dois dos mais seguidos relatórios.

O lado comprado dos comerciais, ainda que abaixo do recorde, está bem acima da média histórica, dando um folego àqueles que precisam voltar as fixar suas compras.

O fechamento de sexta-feira foi mais de US$ 2 centavos abaixo da máxima do dia, em teoria mostrando que uma realização poderia começar a acontecer, entretanto vimos isto acontecendo em algumas sessões apenas para o mercado depois voltar a subir novamente.

Uma ótima semana e bons negócios a todos. 

Rodrigo Costa*

*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting

Saiba mais sobre nossos cursos in company

Confira valores, disponibilidade e datas.

Estou interessado

Café

VENDA DE SAFRAS FUTURAS MUDAM PATAMAR DE PREÇOS

14/12/2019

ler mais

Açúcar

O QUE ESPERAR DE 2020

13/12/2019

ler mais

Café

CURTO-PRAZO AINDA INDEFINIDO

08/12/2019

ler mais

Receba comentários semanais do mercado